Existe um local isolado da Ásia que merece ser estudado pontualmente. Além de ser de uma beleza ímpar, traz consigo a inquietação dos curiosos, e a dúvida que não quer calar: Estará, ali, a fonte da juventude?

    Irmãos Hunza, Agustinus Wibowo
    Irmãos Hunza, Agustinus Wibowo

    O Vale do Rio Hunza, nas montanhas do Himalaia, abriga segredos que desafiam a ciência, especialmente no que se refere à longevidade de seus trinta mil habitantes, cuja origem permanece sendo objeto de suposições.

    A três mil metros de altitude, o povo hunza se banha em águas geladas, cultiva uma alimentação natural, e se mantém em constante atividade laboral, o que pode viabilizar os inúmeros casos de adultos que praticam esportes até os cem anos de idade.

    É comum mulheres hunzas ainda serem férteis até os sessenta e cinco anos. Outras, aos quarenta, aparentam ser adolescentes. Não conhecem doenças graves e conseguem viver sempre de bom humor, sem tensão e sem estresse. Falam um idioma próprio, o Burushaski, que ninguém domina, além deles, e tem sua própria religião que, embora se assemelhe ao Islamismo, denomina-se Ismaelita. Possuem taxa de alfabetização próxima aos 95%.

    Entre tantos cenários desenhados pelas incontáveis publicações sobre o Vale do Hunza e seu povo longevo, fica a dúvida que todo turista vai revelar: Como chegar lá? Onde ficar, onde comer, o que fazer?

    O Vale do Hunza é servido pela mais alta rodovia pavimentada do mundo, a Karakoram Highway, que liga a região de Xinjiang, na China à região de Gilgit–Baltistan, já no Paquistão.

    O jornal “The Guardian” classificou a região como sendo um dos melhores destinos turísticos do Paquistão. Há algumas companhias de vans e ônibus que servem a região, sendo a NATCO (Northern Areas Transport Corporation) a maior delas. O ponto de saída mais próximo é a cidade de Gilgit, no Paquistão, que também pode ser acessada através de vôos com duração de 1 hora, operados pela Pakistan Intl.Airlines, partindo de Islamabad.

    Tanto Gilgit, quanto Hunza, possuem opções de acomodações a preços módicos, incluindo motéis mantidos pela empresa oficial de turismo do Paquistão.

    Para quem aprecia boa leitura, segue abaixo o link para a versão em PDF do livro “Hunza – The Lost Kingdom of Himalayas”. (Em inglês). http://biblelife.org/Hunza%20-%20Lost%20Kingdom%20of%20the%20Himalayas.pdf

    PTDC Motel, Chinnar Inn
    PTDC Motel, Chinnar Inn
    Info: www.tourism.gov.pk/how_to_get_there_northern_areas.htm
    Informações Turísticas e Passagens Aéreas: tourism.gov.pk

    Fontes: Tourism.gov.pk | Saiporai.com | biblelife.org | JornalQ | Jornalismo Colaborativo

    Tags:

    • Criado nas planícies do noroeste paulista, só conheci mar & montanha aos 18 anos. E me encantei! Desde então, viajar é o meu mundo, e que bom seria se o mundo todo me quisesse como o quero... Viajo aqui! Nas palavras, nas cenas de vídeos, fotos e sons dos mais diversos lugares do planeta. Viajo com liberdade, por isso viajo feliz!

    VEJA TAMBÉM

    Tori: Monumento japonês em São José dos Campos

    Monumento nikkei, em solo joseense, visa mostrar o reconhecimento à contribuição da comunidade japonesa ...

    Faça as malas e viva nos EUA!

    Você sabia que existem milhares de oportunidades de trabalho disponíveis em empresas dos EUA, ...

    Parque das cerejeiras em Campos do Jordão

    Programe-se! A partir da segunda quinzena de julho, até a primeira quinzena de agosto, ...

    Saiba como é viver na França

    Já se imaginou curtindo as belas noites da cidade Luz com o amor da ...

    O Frade e a Freira

    Frade e Freira é o conjunto de dois rochedos, que se defrontam, num mesmo ...

    A pérola da mantiqueira

    Com aquele clima agradável de montanha, ar puro e muito verde, a cidade de ...