Existe um local isolado da Ásia que merece ser estudado pontualmente. Além de ser de uma beleza ímpar, traz consigo a inquietação dos curiosos, e a dúvida que não quer calar: Estará, ali, a fonte da juventude?

Irmãos Hunza, Agustinus Wibowo
Irmãos Hunza, Agustinus Wibowo

O Vale do Rio Hunza, nas montanhas do Himalaia, abriga segredos que desafiam a ciência, especialmente no que se refere à longevidade de seus trinta mil habitantes, cuja origem permanece sendo objeto de suposições.

A três mil metros de altitude, o povo hunza se banha em águas geladas, cultiva uma alimentação natural, e se mantém em constante atividade laboral, o que pode viabilizar os inúmeros casos de adultos que praticam esportes até os cem anos de idade.

É comum mulheres hunzas ainda serem férteis até os sessenta e cinco anos. Outras, aos quarenta, aparentam ser adolescentes. Não conhecem doenças graves e conseguem viver sempre de bom humor, sem tensão e sem estresse. Falam um idioma próprio, o Burushaski, que ninguém domina, além deles, e tem sua própria religião que, embora se assemelhe ao Islamismo, denomina-se Ismaelita. Possuem taxa de alfabetização próxima aos 95%.

Entre tantos cenários desenhados pelas incontáveis publicações sobre o Vale do Hunza e seu povo longevo, fica a dúvida que todo turista vai revelar: Como chegar lá? Onde ficar, onde comer, o que fazer?

O Vale do Hunza é servido pela mais alta rodovia pavimentada do mundo, a Karakoram Highway, que liga a região de Xinjiang, na China à região de Gilgit–Baltistan, já no Paquistão.

O jornal “The Guardian” classificou a região como sendo um dos melhores destinos turísticos do Paquistão. Há algumas companhias de vans e ônibus que servem a região, sendo a NATCO (Northern Areas Transport Corporation) a maior delas. O ponto de saída mais próximo é a cidade de Gilgit, no Paquistão, que também pode ser acessada através de vôos com duração de 1 hora, operados pela Pakistan Intl.Airlines, partindo de Islamabad.

Tanto Gilgit, quanto Hunza, possuem opções de acomodações a preços módicos, incluindo motéis mantidos pela empresa oficial de turismo do Paquistão.

Para quem aprecia boa leitura, segue abaixo o link para a versão em PDF do livro “Hunza – The Lost Kingdom of Himalayas”. (Em inglês). http://biblelife.org/Hunza%20-%20Lost%20Kingdom%20of%20the%20Himalayas.pdf

PTDC Motel, Chinnar Inn
PTDC Motel, Chinnar Inn
Info: www.tourism.gov.pk/how_to_get_there_northern_areas.htm
Informações Turísticas e Passagens Aéreas: tourism.gov.pk

Fontes: Tourism.gov.pk | Saiporai.com | biblelife.org | JornalQ | Jornalismo Colaborativo

Tags:

  • Criado nas planícies do noroeste paulista, só conheci mar & montanha aos 18 anos. E me encantei! Desde então, viajar é o meu mundo, e que bom seria se o mundo todo me quisesse como o quero... Viajo aqui! Nas palavras, nas cenas de vídeos, fotos e sons dos mais diversos lugares do planeta. Viajo com liberdade, por isso viajo feliz!

VEJA TAMBÉM

SUP na Ilha Grande

Acostumados em viajar juntos, casal de aventureiros remaram de stand up paddle toda a ...

Parque das cerejeiras em Campos do Jordão

Programe-se! A partir da segunda quinzena de julho, até a primeira quinzena de agosto, ...

2ª Edição do Desafio Tempestades Elétricas

De acordo com o INPE – Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais, a cada segundo ...

Cordilheira Huayhuash

Cordilheira Huayhuash: Imagem capturada no Mirador Siula Grande, com altitude de 4800m, durante o 3º ...

O Frade e a Freira

Frade e Freira é o conjunto de dois rochedos, que se defrontam, num mesmo ...

O que você pode fazer antes de morrer

No ano passado a Rede de Comunicação do Jornalismo Colaborativo mostrou a iniciativa inspirada ...