lima-lisTexto e relato de Lis Lima

    Por diversas vezes pensei em como seria tocar um animal selvagem, em como seria essa experiência, mas sempre tive a certeza de que seria impossível e que todos esses pensamentos ficariam apenas na imaginação, até que nessas férias eu decidi ir ao Google e pesquisei: “Trabalho voluntário na África”.

    Confesso que, de primeiro momento, eu não pensei em trabalho voluntário, eu queria (e ainda quero) conhecer Nova York, Índia, Europa e afins, mas decidi fazer algo diferente, decidi dedicar meu tempo para ajudar.
    O primeiro site que apareceu quando eu pesquisei foi o da CI Intercâmbio, sendo que o mesmo mostrava diversas opções de trabalho voluntário, bem como depoimentos de “ex- voluntários”. Confesso que fiquei maravilhada, minha vontade foi de fazer todos os projetos, mas escolhi apenas um, o Lion Park.

    O Lion Park é um parque, localizado em Joanesburgo, o qual oferece uma interação de turistas com leões (de 4 à 7 meses), cheetahs, girafas, como também a visualização de hienas, suricatos, leões adultos (com suas respectivas famílias), antílopes, zebras, entre outros.

    Os voluntários são como estagiários num escritório, mas dessa vez no mundo animal, você doa todo o seu tempo para as fofuras que se encontram no local. O dia dos voluntários é dividido em shifts que duram de 1 à 3 horas, das 8 da manhã até as 18, ou seja, você acordará cedo para limpar onde os cubs dormem, trocar a água dos mesmos, varrer, retirar as fezes (tanto de girafas, quanto dos leões e das zebras), ou você fica na Nursery, local onde você prepara comida para os animais e cuida dos rescém-nascidos (que não é sempre que tem).

    limalisClaro que as vezes é entediante ficar em apenas um shift por 3 horas, como por exemplo: Você pode ser escalado para retirar tickets na portaria (ou Cub World Entrance); Mas também pode ser bom, você auxiliar os turistas em como tocar os cubs (e aproveitar para brincar com os leõezinhos).

    Sei que todos tem dúvidas com relação à comida e sobre o local onde dormir, pois bem, o voluntário tem direito a café da manhã e almoço, mas toda segunda-feira é levado ao supermercado para comprar o que desejar, eu preferia preparar minhas próprias refeições, visto que a comida de lá era muito gordurosa (e/ou apimentada). Com relação ao local onde dormir, existem tendas com capacidade para 4 pessoas (homens dormem separados das mulheres), nenhuma contém banheiro, haja vista que os banheiros ficam do lado de fora.

    Para finalizar, posso dizer que passar por essa experiência é algo maravilhoso, traz uma felicidade imensa; receber todo o amor desses animais, conhecer novas pessoas dos mais variados lugares do mundo, conhecer novas culturas e se doar para algo novo é muito gratificante, é algo único e que vale muito a pena.

    Obs: Se for pra lá, passe um mês!

    Lis Lima é estudante universitária no curso de RTV na FCSAC da Universidade do Vale do Paraíba em São José dos Campos.

    Tags:

    VEJA TAMBÉM

    A língua inglesa no turismo brasileiro

    O aprendizado de uma língua estrangeira é muito importante atualmente. Com a globalização, o ...

    As crianças merecem conhecer o mundo desde cedo

    Falar com fluência em inglês é indispensável em nossos  territórios sem fronteiras.  Ter a ...

    Oportunidades de estudo no exterior já é uma realidade

    Ingressar em um programa de intercâmbio em uma das universidades mais concorridas do mundo ...

    Leve o Yoga para sua Viagem

    Há milênios o Yoga nos ensina que todas as doenças das quais padecemos, sobretudo ...

    Sobre Machu Picchu e outras histórias

    Há duas décadas atuando como professor de Inglês e há cinco anos no ICBEU, ...