Monumento nikkei, em solo joseense, visa mostrar o reconhecimento à contribuição da comunidade japonesa no Vale

    Depois que as máquinas começaram a trabalhar mais rápido do que os homens, a agilidade dos processos rotineiros e o desenvolvimento tecnológico influenciaram diretamente no ritmo acelerado em que vivemos.

    Se para os ocidentais, o tempo é linear e nunca volta, talvez por isso tenhamos a sensação de que estamos tirando o máximo dele. Para os orientais, não adianta enganar os ponteiros do relógio. O que importa não é apenas a quantidade, mas a qualidade que o tempo é aproveitado.

    Para quem visita pela primeira vez a Praça Engenheiro Riugi Kojima, no Jardim Aquarius, em São José dos Campos, é impossível deixar de notar o tamanho do monumento que compõe o cenário de um jardim repleto de vida e cores, onde o tempo passa, mas você fica.

    Feita de aço, a construção, que tem o formato de um portal, rouba a cena onde os prédios dominam a maior parte da paisagem. Com seus 17 metros de altura e 21 metros de largura, o projeto da Associação Pró-Comemoração do Centenário da Imigração Japonesa no Brasil, em parceria com a prefeitura, empresas, entidades e a comunidade nipo-brasileira, foi inaugurado no dia 28 de junho de 2008.

    Constituído por duas colunas que representam os alicerces que sustentam o céu, enquanto que outras duas vigas simbolizam a terra, o Tori é um dos mais conhecidos ícones da cultura japonesa. De origem e tradição xintoísta, o portal representa a ligação entre o mundo humano e o kami, que seriam os protetores ancestrais, espíritos da natureza e deuses. Portanto, a entrada pra o mundo espiritual e a passagem para o Tori (infinito).

    Membro-fundadora do Espaço Engenheiro Riugi Kojima, a vereadora Amélia Naomi, presidente da Câmara de São José, tem seu nome estampado na placa do monumento, em homenagem à Família Esaku Ihara – pioneira na imigração japonesa em solo joseense –, e deu detalhes da obra inaugurada em 2008.

    “Esse Tori é o maior e o mais alto do mundo. Teve todo um estudo de arquitetura antes de ser construído”, afirma a presidente Amélia, que também comentou sobre a primeira visita do Cônsul japonês ao Tori. “Quando ele chegou à cidade, gostou muito desse projeto”.

    RESGATE CULTURAL

    Para os descendentes da imigração japonesa que desenvolveram a cultura de arroz nas zonas alagadiças do Vale do Paraíba, a representação simbólica de uma tradição oriental, tem a força de resgatar a cultura de um povo que fortaleceu diversos setores, como a agricultura na região, lembrando que aproximadamente 75% dos imigrantes japoneses, na década de 30, vieram para o Estado de São Paulo, que tinha grande necessidade de mão de obra para trabalhar nos cafezais.

    Com a abertura de novas frentes de trabalho, os imigrantes japoneses iam trabalhar também no cultivo de morango, chá e arroz. Segundo a MOFA (em português, Ministério das Relações Estrangeiras do Japão), atualmente, mais de 1,5 milhão de pessoas de origem japonesa vivem em nosso país, a maioria delas no Estado de São Paulo.

    “JOSEENSES”

    Os últimos dados, revelados pela prefeitura de São José dos Campos, apontam que mais de 15 mil nikkeis (imigrantes e descendentes de japoneses) vivem na cidade. Um número impressionante, levando-se em conta que representa a metade do número total de todo o Vale do Paraíba..

    Imigração japonesa no Brasil

    A imigração começou no início do século XX, em função de um acordo entre os governos japonês e brasileiro. O Japão tinha um problema de superpopulação e o Brasil necessitava de mão de obra para os cafezais.

    O Kasatu Maru foi o primeiro navio a chegar ao Brasil (em Santos), com imigrantes japoneses. Chegou no dia 18 de Junho de 1908, trazendo novos imigrantes a bordo.

    A maioria dos japoneses trabalhou em plantações de café no interior de São Paulo. Dentre as diversas marcas que a cultura nikkei deixou no Brasil, podemos citar uma culinária muito rica e saudável, a tecnologia agrícola e os esportes como karatê, judô e kendo, além dos mangás.

    Fonte: Vale Shimbun

    Tags:

    VEJA TAMBÉM

    Casal percorre o Caminho Velho durante as festas de fim de ano

    Dentre as muitas histórias de casais que viajam juntos, há sempre aquelas que se destacam pela relação direta ...

    Turismo arqueológico e espeleologia

    Espeleologia Avançada O Brasil possui cerca de 4300 cavernas cadastradas na SBE (Sociedade Brasileira ...

    Fotógrafo de eventos Rogério von Kruger

    Os melhores festivais internacionais de música pela lente de Rogério von Krüger

    Fotografar shows requer preparo, técnica, equipamentos adequados e, principalmente, muita sensibilidade artística. É isso ...

    2ª Edição do Desafio Tempestades Elétricas

    De acordo com o INPE – Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais, a cada segundo ...

    Aprenda a falar francês e prepare a sua viagem

    É característico da sociedade humana buscar aprimoramento na área escolhida para obter sucesso ou ...

    Descomplicando a Cultura Americana

    O Instituto Cultural Brasil Estados Unidos, único centro de aprendizagem da língua americana reconhecido pela Embaixada ...